segunda-feira, 22 de novembro de 2010

ACIDENTAL

Dentro de casa uma lagartixa de rua.
Não daquelas que sobem pelas paredes,
quase transparentes, faxineiras e ajudantes.
Não daquelas que se equilibram no teto
e passam longe do tato.
Esta - ligeira, faceira, arteira. De rua.
Altiva, atrevida, impossível de encarar.
Entra e sai debaixo da cama, vãos de sofás, frestas abertas, esconderijos encobertos, aqui e lá.
Corro atrás dela, não tenho medo. Asco não tenho.
Quero capturá-la com minhas próprias mãos.
Sentir na pele o regozijo de um predador.
Mas não sou tão ágil, nem tão pequena.
Minha natureza não me designa tamanha estripulia.
Ela foge de mim. Parece sorrir em seus olhos semicerrados.
De relance, vejo sua cauda – cortada.
Aliás, acho que não tem cauda.
Como será sua vida lá fora?
Foge de gato, toma sol no asfalto, alvo de brincadeiras infantis.
A cauda? Certamente perdida para algum estilingue ou pedra, maldade ou acidente.
Lembro-me de uma batida de carro, quase levou-me a vida e os movimentos há dez anos atrás. Fico com dó.
Dela e de mim.
Depois me recomponho.
Ela se recompõe melhor do que eu.
Sua cauda se regenera rapidamente - daqui a pouco cresce de novo, e garanto que já nem se lembra o que lhe aconteceu.
Já eu estou aqui, ainda traumatizada por um acidente que me levou algumas coisas.
A visitante oportuna corre para outro lado da casa.
Eu não corro mais atrás dela.
Agradeço-lhe a descoberta acidental.
Meu corpo pode até não se regenerar.
Minha alma é como cauda de lagartixa.

... ... ... ... ...

Esta poesia é antiga, tem mais de três anos. Mas outro dia li de novo e fiquei com vontade de postar novamente. Fiz quando o João levou uma lagartixa pra dentro de casa.

7 comentários:

Ronnie disse...

Oi, meu nome é Ronnie. Virei fã seu no Blip. Na verdade quando fiz o blip, eu naquelas de não saber mexer direito, adicionei um monte de gente nos favs. E assim essas pessoas ficaram. Outro dia eu pensei: ai, nao aguento mais essas minhas musicas que eu mal blipo, vou clicar num desses aqui, afinal de contas eles estão aí pra isso também e eu nunca os ouço! rs.. E cliquei em você. Então a partir desse dia que eu virei fã mesmo. Clap Clap pra sua playlist. Prazer, a proposito! E lindo isso que voce escreveu aqui. ;) Abraços, Ronnie. Ah, no blip/rohh

Aroeira disse...

nossa, muito legal!

Geraldo de Barros disse...

um encanto! :)

beijos,
G

Carolina disse...

Que lindo, Soft!
Tb não me esqueço daquele acidente, mas o melhor de tudo e ter você aqui com essas palavras lindas de regenerar!
Saudade.
Bjs, Carol

. disse...

Ah, sua linda!! Belo texto.

visite meu blog.
e descubra porque "os homens NÃO são todos iguais"
(risos)

beijão.

__________Tom Freire
E-mail: tomfreire@R7.com

Tiago Lyra disse...

poesia pra que ne? rsrsrsr,

Tiago Lyra disse...

Obrigado por participar da comunidade da lira, eu já ia colocar no meu blog o link do seu porque gostei bastante do seu espaço, mas você lá participando, ainda ficou melhor.

Abraço e muita paz!