quinta-feira, 10 de julho de 2008

AUTOR CONVIDADO - ARAGÃO


Poesia pra quê?
por José Carlos Aragão

Eu, na verdade, nunca soube exatamente pra quê.

Só sei que, se Rilke me perguntasse se eu viveria sem ela (como o fez ao ao jovem poeta que lhe escrevera), eu não hesitaria em responder que não.

Encontro conforto, nessas horas de angústia e dúvida, em outros poetas que escreveram sobre a poesia e sua utilidade. Entre eles, Manoel de Barros ("a poesia é antes de tudo um inutensílio"; e Quintana ("a poesia é a invenção da verdade").Mas é bom ouvir também o que dizem Gullar, Drummond e os heterônimos de Pessoa.

E não há como não recomendar também a leitura de Nasce o poema, o último poema do livro Barulhos, de Ferreira Gullar, pra se tentar entender a angústia do poeta diante da poesia em gestação. Talvez o poema não explique pra que serve o poema ou a poesia, mas se a palavra te toca é que pra alguma coisa serviu - sabe-se lá pra quê!...


(...) ... (...) ...

Eu resolvi conversar com outros autores sobre a necessidade da poesia, para o poeta e para os leitores.

Quem estréia essa coluna (se é que se pode chamar assim) é o José Carlos Aragão, um grande escritor amigo meu, aqui de Belo Horizonte.

Mestre das letras, ele é jornalista, escritor, dramaturgo e artista plástico. Tem quase 20 livros publicados: de poesia e contos, para adultos; e de literatura e teatro, para crianças e jovens. Conquistou vários prêmios literários e seus livros encantam adultos e crianças. Vale a pena ler: 'Girafa não serve pra nada', 'O menino que engoliu o quatro' e todos os outros livros dele.

O Aragão ainda me presenteou com uma seleção de textos de poetas famosos sobre a poesia e o fazer poético, que vou publicar aqui aos poucos. Para quem quer saber mais sobre o trabalho dele, é só entrar nos blogs:
aragaoescritor.blogspot.com
aragaohumor.blogspot.com

Um comentário:

Renata Rocha disse...

Eu li: girafa não serve pra nada !!!!
Valeu demais pela dica do blog !!!! ja vou dar um pulo e conhecer novos textos dele !
Um beijo