sábado, 12 de julho de 2008

CANAL VERDE



oferecemos corpo ao vento
como os pássaros
oferecemos paz ao tempo
como as árvores
oferecemos água ao movimento
como os mares


Fiz esse texto há uns seis anos atrás. Estava me formando e entrei no projeto do Canal Verde, do Robério e do Rafa. O poema finalizava um roteiro.

Quando comecei o curso de comunicação na federal, acreditava no poder da mídia para educação e a mudança de mentes. Enfim,uma forma de contribuir para um mundo melhor. Mas no dia-a-dia eu vi que as forças da manipulação eram muito mais fortes e eu parecia uma idealista sem lugar.

O Canal Verde era uma pontinha de esperança e tinha a ver com tudo aquilo que eu acreditava. Era não. É. Depois de seis anos de batalha (na verdade mais de dez, porque o projeto já existia antes de eu entrar), as gravações começaram hoje.
Eu não pude ir, estou terminando uns freelas aqui em casa, mas de qualquer forma o roteiro é meu e isso me faz sentir um pouco presente lá.

Rafa e Robério, eu sei que daqui a pouco tudo o que a gente sonhou vai ganhar corpo. Porque, como diz Raul Seixas, sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade.

2 comentários:

Robério Carneiro disse...

Ta bom Sofia..vai ter que me pagar um teclado novo, pois as lágrimas estragaram esse!!!
Sim, o sonho vai virar realidade, e a realidade vai ser um sonho lindo!
E só é real por que temos AMIGOS lindos que confiam e acreditam em nós, e nós neles!
OBRIGADO!

Bjus e muita luz a todos!

Denis disse...

Olá, Sofia!

No texto que escreveu abaixo do outro texto intitulado: Canal Verde existe uma passagem que me chamou a atenção. Você expressou, em dada parte, seu pensamento a respeito do poder de influência exercido pela mídia. Eu concordo com esse pensamento! Penso mesmo que esse poder de influência tem se exercido de maneira muito negativa. A manipulação das pessoas pelos veículos de comunicação em massa, principalmente a TV, é uma triste realidade. Infelizmente a maioria das pessosas ainda não o percebeu.
Um abraço!